Arquidiocese de
 São Paulo
Região Episcopal de Santana
Paróquia Nossa Senhora da Anunciação
Artigo de Dom Sérgio de Deus Borges

 Ir além de pequenos projetos


       Alargar o olhar, apreender a sonhar grande, como o Patriarca Abraão, que será sempre uma grande inspiração para responder “sim” ao chamado de Deus, especialmente para todos aqueles que estão no processo de discernimento vocacional, de eleição de vida e carreira. Sobretudo na realidade imediatista e de incertezas que a sociedade oferece.

Quando Abraão estava em Ur dos Caldeus foi orientado pelo seu pai a dirigir-se à terra de Canaã (Gn 11,31). Taré, o pai de Abraão, procurava dar uma vida melhor para o filho, onde ele poderia encontrar um lugar mais digno para viver, ganhar dinheiro e talvez viajar. Taré tinha um projeto razoável para um pai que se esforça pelo bem dos filhos, mas era um projeto fechado em um mundo muito pequeno, sem um horizonte mais amplo. Era tão pequeno esse projeto que, no meio do caminho, em Harã, se estabeleceram e não seguiram em direção à meta que haviam traçado.

Também os homens que tinham grandes sonhos e construíram a imensa torre de Babel, porque queriam chegar ao céu, acabaram se acomodando com pequenos sonhos e passaram a viver apegados à terra, esqueceram da grande vocação a que foram chamados.

Somente Deus pode nos auxiliar a sonhar alto, a passar de projetos razoáveis e horizontais a grandes projetos. E foi Deus quem provocou Abraão e o chamou a percorrer uma nova estrada, mesmo que a distância fosse desmesurada e os meios de locomoção fossem tão precários. Parecia um projeto irracional e descabelado, mas era diferente de tudo o que Abraão já tinha vivido e experimentado: “Sai de tua terra, do meio de teus parentes, da casa de teu pai, e vai para a terra que eu vou te mostrar. Farei de ti uma grande nação” (Gn 12-1-2).

A partir daquele dia, Abraão não caminhou mais com um simples projeto terreno de encontrar um lugar para viver, ganhar dinheiro e viajar. Naquele dia memorável Deus lhe deu um novo horizonte, ensinou uma nova lógica de vida, que ocupou toda a sua existência e para o qual valeu a pena investir todas as energias: foi instrumento de Deus para formar uma grande nação.

Vocação, nos ensina o Papa Francisco, é entrar na lógica de Deus, na lógica do sentido para a vida e “ter a coragem de ser diferentes, mostrar outros sonhos que este mundo na~o oferece, testemunhar a beleza da generosidade, do servic¸o, da pureza, da fortaleza, do perda~o, da fidelidade a` pro´pria vocac¸a~o, da orac¸a~o, da luta pela justic¸a e o bem comum, do amor aos pobres, da amizade social” (Papa Francisco. Christus vivit, 36). 

O vocacionado não vive de simples expectativas imediatas, ele olha no horizonte e sabe que não precisa construir uma torre para chegar ao céu, porque o próprio Deus, em Jesus, desceu do céu e no Espírito Santo edifica a sua vida e faz dele um luminar no seio da família, da sociedade e da comunidade eclesial missionária. 

O vocacionado não vive para pequenos projetos, ele participa do grande projeto de Deus para todos os homens e mulheres, discípulos missionários.

Obrigado crianças, adolescentes, jovens, adultos e os da melhor idade, que respondem ao bom Senhor que nos chama a ser grandes na resposta ao serviço dos mais humildes e às necessidades do Reino.          


  

Dom Sérgio de Deus Borges

Bispo Auxiliar de São Paulo

Vigário Episcopal - Região Sant'Ana